quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Escobar Nogueira, poeta



I

Pejuçara, vagem de sílabas,
palavra que começa verde
e amadurece na boca.

Pejuçara, compota de notas,
palavra que começa engolida
e acaba arrotada.

II

Não é no mapa
que te achas situada,
é no poema, Pejuçara,
que o poeta te alfineta
como uma borboleta
de asas não catalogadas.

Não é na placa
que está tua estrada,
é no poema, Pejuçara,
que planto a palmeira
e saberão teu caminho
pelas folhas da bandeira.

III

Pejuçara, ilha
fictícia como Cuba,
real como Ítaca.

Pejuçara, não é onde fica
Pejuçara, fica onde é.




Acharam o silêncio.

- Dedé! Dedéco!?
Onde é que tu tá, guri?

Eu nem um pio.

Revisaram a casa,
revistaram o pátio,
nada de mim.

- Dedé! Dedéco!?
Onde é que tu tá, piá?

Aqui dentro.



Quando Caim matou Abel,
Deus sentenciou:
Andarás errante
e perdido pelo mundo.
Amaldiçoado, partiu, Caim,
para as terras de Nod.
Teve mulher, construiu uma cidade
e lhe deu o nome do filho, Henoc.
A civilização começou assim.
Eu não quero estar aqui pra ver como vai ser o fim.



Os poemas são dos livros Curta-metragem (Ibis Libris, 2006) e Pejuçara (7 Letras, 2009).
A direção de fotografia e iluminação é de Patricio Orozco-Contreras.

8 comentários:

  1. Escrevendo e fotografando, sempre sutil e pertinente. Parabéns pelo Blog e por alimentar nossa imaginação.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Belos poemas. Belas fotografias.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Eu ainda lembro de quando, menos de um ano atrás, conversávamos sobre comprares uma câmera. Depois de algumas fotos em que já se percebia o teu "affair" com mais essa linguagem e ferramenta, e acredito que já apaixonado por isso que eu vou chamar de "Retrato Narrativo", falaste sobre as fotos do Escobar... disso nasceu um blog e projetos e o poeta acabava sendo adiado e mais adiado.
    Bem, finalmente estão aqui, poeta, fotógrafo, poemas e fotos... e fico feliz de perceber que os limites são sutis e quase imperceptíveis. E não é sem um sentido que precisaste esperar, porque a maturidade que sinto neste narrador visual e suas imagens, ah, isto precisou de tempo... ainda que no teu caso, tudo pareça acontecer num "fast- forward" vertiginoso.
    Parabéns por tudo, e pelo empenho e determinação, e pela enorme capacidade de contar histórias em qualquer meio que usares...
    Um abraço grande desse amigo e admirador de longa data.

    ResponderExcluir
  4. oras, se a coisa vai indo bem, é graças ao professor...

    ResponderExcluir
  5. Como disse o poeta Escobar, "Pejuçara não é onde fica", é onde os poetas e fotógrafos a colocam.

    ResponderExcluir
  6. nossa, leonardo, que perfeição de escrita e de narrativa poética! um primor. parabéns!

    venha ao um-sentir e veja um pouco de começos de romances :)

    grande abraço!

    ResponderExcluir